Bom dia amigo, estou planejando uma viagem de cerca de um ano pela Europa, mochilando e fazendo work exchange dentro e fora da área Schengen. Entretanto, me deparo com o problema da passagem de volta, já que mochilando e conhendo novas pessoas posso mudar de destino facilmente, não tendo assim como prever onde estarei depois de 90 dias e para qual país fora da área que irei. Você tem alguma sugestão em como eu poderia contornar esse problema?
Quem viaja a Europa a convite de alguém ou participará de evento deve apresentar na imigração carta-convite obrigatória, emitida pelo cidadão daquele país ou que tenha autorização legal para viver lá, ou da empresa organizadora do evento. A carta convite deve ter firma reconhecida lá e deve ser encaminhada a pessoa aqui no Brasil que vai viajar, para que esta seja apresentada no momento do seu desembarque no aeroporto ao oficial da imigração.

A Carteira Internacional de Motorista é uma forma barata e útil de identificação para se ter à mão, mesmo que você não pretenda dirigir. Esta deverá ser emitida em seu próprio país, antes da viagem. Peça a sua carteira através da agência local ou nacional do seu automóvel clube. O requerimento normalmente exige uma ou duas fotos, carteira de motorista válida, uma forma adicional de identificação e o pagamento de uma taxa. A Carteira Internacional de Motorista não substitui a sua carteira de motorista normal, portanto, você deverá andar com ambas no bolso, caso planeje dirigir. A Carteira Internacional de Motorista é válida por um ano.


Para chamar a polícia, os bombeiros ou uma ambulância, disque 9-1-1. Esta chamada é gratuita em qualquer telefone público (não é necessário usar moedas). Nas vias expressas, há caixas com telefones de emergência instaladas aproximadamente a cada 1 quilômetro (meia milha) que o colocarão em contato com o auxílio necessário. Os motoristas podem discar *FHP (*347) nas rodovias interestaduais e auto-estradas da Flórida para chamar a Polícia Rodoviária da Flórida (polícia estadual).
Os cheques de viagem ainda são o meio mais seguro de se viajar com grandes somas de dinheiro, sendo aceitos na maioria dos estabelecimentos. Os cartões de crédito são amplamente aceitos em hotéis, lojas, restaurantes e locadoras de veículos. Lembre-se que o imposto sobre vendas (normalmente entre 6 e 7 por cento) será acrescentado, no caixa, à maioria dos preços demarcados de mercadorias e serviços em lojas, restaurantes e atrações.
Os vistos de não-imigrantes são destinados a cidadãos de outros países que estejam indo temporariamente para os EUA. O visto permite que você viaje a uma porta de entrada nos EUA (aeroporto, por exemplo) e solicite permissão de um funcionário do Serviço de Alfândega e Proteção de Fronteiras do Departamento de Segurança Interna (DHS) para entrar nos Estados Unidos. Um visto não garante a entrada nos Estados Unidos.
Tem problema sim, Anderson. Tanto Portugal quanto Itália fazem parte do Espaço Schengen e um dos requisitos para ter a entrada autorizada é ter uma passagem de retorno ou saída de suas fronteiras. Se você já tivesse a cidadania não teria problema algum, mas como não tem ainda, voc~e tem que ir com passagem de retorno ou corre risco de nem ter o embarque autorizado.
Um visto é uma autorização oficial para entrar num país estrangeiro e viajar nesse país. O visto é geralmente carim­bado ou apenso ao passaporte pelo consulado do país estrangeiro em ques­tão. Na maioria dos casos, o visto indica o objectivo autorizado da viagem ao país a visitar (turismo, por exemplo) e o respectivo prazo de validade. No entanto, a concessão de um visto não garante a admissão no país para o qual foi concedido. Essa admissão está dependente da autoridade do posto de entrada, que pode ou não permiti-la.
Para a pré-entrevista no CASV, você deverá levar um passaporte válido, o formulário DS-160 impresso e o comprovante de pagamento da taxa do visto. Você também pode levar documentos adicionais que comprovem vínculos com o Brasil, como por exemplo, contra-cheques e extratos bancários recentes (no máximo 3), declaração de imposto de renda com a informações de bens que você possui, etc. A embaixada não obriga a apresentação desses documentos, mas recomenda. Pode ser também que eles não queiram recolher esse documentos nessa etapa, mas eu levaria por desencargo de consciência.
A ordem executiva expedida na sexta-feira dia 27 de janeiro explicitamente revogava a isenção da entrevista para renovação de vistos ("visa interview waiver"), criada durante o governo Obama. A imprensa americana (veja aqui e aqui) interpretou a lei ao pé da letra: a partir de agora, quem fosse renovar o visto americano perderia o benefício da isenção de entrevista, e precisaria agendar entrevista como os solicitantes de primeiro visto -- o que causaria confusão em consulados ao redor do mundo.
×